Tratamento não artroplástico: luxação do ombro associada a grande defeito ósseo – por Jerry Boni

Olá!

Hoje vou falar sobre o tratamento não artroplástico da luxação posterior do ombro associada a grande defeito ósseo.

A luxação posterior permanente do ombro (LPPO), além de ser pouco freqüente, geralmente não é reconhecida no primeiro atendimento. Ela foi descrita pela primeira vez na literatura por Cooper, em 1832.

Em 1952, McLaughlin propôs como tratamento da LPPO a transferência do tendão do músculo subescapular para preencher o defeito ântero-medial da cabeça do úmero(3). Em 1962, o mesmo autor confirmou os bons resultados obtidos com essa técnica.

Neer modificou a técnica de McLaughlin e indicou o preenchimento do defeito usando a tuberosidade menor, que deveria ser fixada com um parafuso e, em 1955, recomendou a substituição artroplástica quando as lesões da cabeça umeral fossem maiores do que 50% da superfície articular e, em trabalho publicado em 1963, mantendo suas indicações de tratamento, relatou os resultados excelentes observados nos pacientes que possuíam lesões inferiores a 50%, submetidos à cirurgia pela técnica de McLaughlin. Leia mais aqui.

Para conhecer melhor este tratamento, procure um médico especializado!

Dr. Jerry Boni – RQE: 5907 / CRM: 8753 

Médico Ortopedista e Traumatologista com treinamentos no Brasil e no Exterior, na área clínica e artroscópica Cirurgica do Ombro e cotovelo.

Contato: (83) 999411630

Atendimentos:
Clinor – unidades do Centro, Bancários e Praia

Site: www.meuortopedista.com.br