Queiroga diz que evitar lockdown é “ordem”, mas população precisa colaborar

O ministro Marcelo Queiroga (Saúde) disse que evitar lockdown é a “ordem” do presidente Jair Bolsonaro, mas que a população precisa fazer o dever de casa: não aglomerar, usar máscara e cumprir o isolamento social. Ele conversou com jornalistas neste sábado (3.abr.2021).

“Nós precisamos nos organizar para que evitemos medidas extremas e consigamos garantir que as pessoas continuem trabalhando, ganhando o seu salário, renda, e a economia funcione, deixando essas situações extremas para o último caso. Então, evitar lockdown é a ordem, mas temos que fazer o nosso dever de casa. E o dever não é só do governo federal, do Estado e do município, é de cada um dos cidadãos”, disse.

Ele chamou os jornalistas para falar sobre um acordo do Brasil com a OPAS (Organização Pan-Americana da Saúde) para aquisição de kits usados para a intubação de pacientes. O ministro teve reunião com a diretora da entidade internacional no Brasil, Socorro Gross, e o diretor-geral da OMS (Organização Mundial da Saúde), Tedros Adhanom Ghereyesus.

De acordo com ele, Tedros esteve empenhado em ajudar o Brasil a sair da pandemia de covid-19, e não em fazer críticas ao trabalho do governo Jair Bolsonaro no combate à crise sanitária.

Queiroga afirmou que o Brasil é um dos focos da doença e está “perdendo todos os dias muitos brasileiros”“Isso decorre da pressão sobre o nosso sistema de saúde e da incapacidade plena que temos de assistência à população. É necessário reforçar as medidas que evitam a circulação do vírus”, disse.

QUEIROGA: FIQUE EM CASA NA PÁSCOA

O ministro da Saúde pediu para que a população fique em casa durante o feriado de Páscoa. Ele citou que os brasileiros têm que colaborar para evitar a transmissão do vírus para não sobrecarregar ainda mais o SUS (Sistema Único de Saúde).

“Aproveitem esse feriado pascal para não fazer aglomerações. Nós assistimos muitas vezes a população fazendo festas sem máscaras. Isso não é adequado. Nós sabemos disso. Então, precisamos que cada um colabore. Se todos juntos unirmos esforços, nós vamos conseguir vencer essa pandemia e o nosso país seguir o grande destino que tem”, declarou.

De acordo com ele, o uso da máscara é fundamental, assim como a higienização das mãos e o distanciamento social, mas é necessário que haja adesão da população.

VACINAÇÃO

Queiroga anunciou um acordo de colaboração técnica com a Opas para assegurar mais vacinas nos próximos 3 meses. As negociações são para ampliar a produção no Brasil. Se tratou sobre a utilização de parques industriais que produzem vacinas animais para adaptação dos mecanismos para aumentar o estoque de doses para humanos.

Autoridades sanitárias brasileiras e da OMS vão verificar a adequação das unidades para verificar a viabilidade do uso para a produção de vacinas contra a covid-19.

“Não só para abastecer o mercado interno e ampliar a nossa capacidade de vacinação, mas também para que o Brasil, na sua condição de líder mundial e líder da América Latina [em programa de vacinação] possa oferecer em um futuro próximo, se tudo ocorrer com o que nós programamos, sobretudo com bases técnicas muito próprias, oferecer vacinas para os outros países da América Latina e para o mundo”, afirmou o ministro.

Ele ressaltou, porém, que as medidas terão efeitos no médio prazo.

A OMS e a Opas também vão vender insumos estratégicos para o Brasil, como os kits de intubação, medicação, sedativos, bloqueadores neuromusculares e outros. São 22 itens que estão na cesta de compras do Brasil, sendo 8 urgentes. A maior parte deve chegar de 2 a 4 semanas.

“O Ministério da Saúde tem acompanhado dia a dia a oferta desses bloqueadores neuromusculares para Estados e municípios e colaboramos agora com a Opas para conseguir repor os nossos estoques reguladores, de tal sorte que essa operação diária que existe de fazer aporte desses insumos para Estados e municípios seja menos sofrida para nós no Ministério da Saúde e que crie menos ansiedade na população brasileira”, disse.

Ele disse que o problema de carência de doses não é único do Brasil, mas citou que o país tem duas indústrias com capacidade de produção: o Instituto Butantan e a Fiocruz. O Ministério da Saúde trabalha com uma meta de vacinar 1 milhão de pessoas por dia neste mês, com 30 milhões de doses produzidas no país.

FORÇAS ARMADAS E VACINAÇÃO

Queiroga conversou com o presidente Jair Bolsonaro e o ministro Braga Netto (Defesa) sobre a ampliação da atuação das Forças Armadas no trabalho de logística e operacional na campanha de vacinação. O pedido foi do chefe do Executivo.

“O governo tem uma interlocução forte por determinação do nosso presidente da República, que está pessoalmente empenhado em aumentar a cobertura vacinal do país. Nós teremos o apoio das Forças Armadas, seja nas logísticas de distribuição de vacinas, seja através do corpo técnico da área da saúde ajudando Estados e municípios a vacinar a população brasileira de uma maneira muito efetiva”, declarou.

Ele disse que o presidente não falou se irá vacinar neste sábado. É um assunto “pessoal” de Bolsonaro, segundo ele.
O plano ainda não está detalhado. Há 37 mil salas de vacinação no Brasil e, segundo Queiroga, há capacidade de vacinar toda a população.

 

Fonte: poder360