Polícia investiga se carro envolvido em acidente no Retão de Manaíra foi adulterado; colisão aconteceu a 163 km/h

Uma nova frente de investigação foi iniciada pela Polícia Civil da Paraíba, que investiga o acidente que causou a morte do motociclista Kelton Marques, no último sábado (11), no Retão de Manaíra, em João Pessoa. O veículo que o suspeito Ruan Ferreira de Oliveira dirigia no momento do acidente passou por perícia na manhã desta segunda-feira (13).

Em entrevista ao Portal MaisPB, o delegado Rodolfo Santa Cruz, afirmou que a polícia irá investigar se o carro foi modificado. Na sua visão, a velocidade atingida pelo veículo, que foi de 163km/h no momento da colisão, não condiz com as condições do automóvel.

“A gente quer saber se o carro é tunado. A velocidade que ele desenvolve é uma velocidade absurda e não condiz com o potencial desse carro. Quero saber se esse carro sofreu alguma espécie de adaptação para que ele chegue a essa velocidade toda”, explicou o delegado.

Um vídeo gravado pelo aplicativo de GPS do carro mostra o momento exato da colisão que matou o motociclista, a 163 km/h. Antes, no entanto, o motorista conduzia o veículo pela BR-230 alcançando os 150 km/h.

Ainda segundo Rodolfo Santa Cruz, o advogado que representa a defesa de Ruan Ferreira ficou surpreso com o mandado de prisão preventiva decretado nesta segunda-feira.

“Ele sabia do pedido da prisão temporária, mas para ele foi surpreendente saber que existia uma preventiva. Ele falou que vai conversar com o cliente para saber do interesse de apresentá-lo. Esperamos que ele se apresente espontaneamente para que a gente possa concluir esse inquérito o quanto antes”, falou. Para o delegado, Ruan deve ser indiciado por homicídio doloso, quando há a intenção de matar.