Lorenzoni diz que Reforma da Previdência deve ficar para 2019

O futuro ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, disse nesta 2ª feira (12.nov.2018) a reforma da Previdência deve ficar para 2019.

“O que ouvi da consulta feita a dezenas de parlamentares é que o cenário não é favorável para qualquer tipo de questão relativa à Previdência, num cenário e no modelo que está lá, de emenda constitucional”, disse.

Lorenzoni mostrou-se cético mesmo sobre propostas infraconstitucionais, ou seja, por meio de projetos de lei, que não demandam mudanças na Constituição e exigem menos votos para aprovação.

Nesta 2ª feira, o deputado Pauderney Avelino (DEM-AM) levou uma série de propostas que poderiam ser votadas em 2018 sem a necessidade de se suspender a intervenção no Rio de Janeiro.

“Estão sendo condensadas e serão apresentadas amanhã (3ª feira) ao futuro presidente para darmos 1 destino, se vão ser trabalhadas agora ou ficarão para o ano que vem. A tendência é que fique para o ano que vem”, afirmou.

Lorenzoni citou a renovação do Congresso, disse ser necessário “ter a humildade de entender o momento” e defendeu que seja feita uma “proposta duradoura e feita com calma“.

O futuro ministro já defendeu outras vezes que a reforma da Previdência, considerada a mais importante para ajuste fiscal, fique para 2019.

VISITA A RODRIGO MAIA

Onyx Lorenzoni disse também afirmou que fez nesta 2ª feira uma visita ao presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia. Segundo o futuro ministro, tiveram uma “conversa agradável“.

“Dissemos aquilo que o presidente tem reiterado. O governo não pretende intervir nas definições do comando da Câmara nem do Senado”, disse o futuro ministro.

A relação com Maia e o presidente do Senado, Eunício Oliveira, tem sido alvo de críticas dos congressistas, que reclamam da falta de articulação com deputados e senadores.

Indagado se a equipe de Bolsonaro levou a lista de projetos prioritários que poderia ser votada ainda em 2018, Lorenzoni negou.

O nosso governo começa dia 1º de janeiro. Qualquer outra atitude poderia ser como prepotência do futuro governo“, disse.

MARCELO CAETANO

O secretário de Previdência do Ministério da Fazendo, Marcelo Caetano, reuniu-se nesta 2ª com Abraham e Arthur Weintraub, responsáveis pela análise do plano de Previdência de Bolsonaro.

Segundo Caetano, a visita serviu para explicar aos especialistas a metodologia do cálculo previdenciário, como o número de pessoas que deverão se aposentar e quanto isso custará aos cofres públicos no futuro.

O secretário evitou dizer se continuará no posto no governo Bolsonaro.

 

Fonte: PODER360

Créditos: PODER360