Em sessão quente, Câmara Municipal abre ano legislativo

Com a presença do prefeito interino Luiz Antônio (PSDB), a Câmara Municipal de Bayeux abriu hoje mais um ano legislativo. A sessão, que começou com amenidades e cumprimentos entre os presentes, foi marcada por declarações ácidas e embates entre os vereadores de situação e de oposição ao governo municipal.

Como manda a Lei Orgânica da cidade, o prefeito Luiz Antônio fez o discurso que abre o ano legislativo. Ele utilizou o espaço para pregar a dependência e a convivência harmônica entre a prefeitura e os vereadores. “Estendo primeiro a mão, para juntos cuidarmos da cidade e fazer a transformação que prometemos na eleição passada”, disse.

Ele também defendeu a administração e citou ações da prefeitura. Logo após a fala do prefeito interino, os vereadores se alternaram na tribuna para defender e criticar a gestão. A sessão esquentou.

O vereador Lico utilizou a tribuna para criticar a duramente a administração. “Quer dizer que prefeito é só pra fazer manutenção e licitação?”, ironizou. Ele também criticou a contratação anormal de servidores e lembrou de obras paradas, como o Estádio Lourival Caetano, a UPA e o Centro de Iniciação Esportiva, que não saiu do papel. O vereador também culpou a incompetência das administrações anteriores.

Já o vereador Adriano Martins usou a tribuna para elogiar o prefeito interino. “O senhor está de parabéns por tentar unir executivo e legislativo. Eu não tenho dúvidas que tempos melhores virão”, disse. Ele defendeu a gestão do prefeito.

Outro que também usou a tribuna foi o vereador Jeferson Kita. Ele criticou o governo municipal e disse que basta andar nas ruas para ver os problemas da administração. “Compreendo que Bayeux tem uma máquina maior, porém estou aqui para cobrar. Se não houver enxugamento da folha, em 2 ou 3 meses não se paga a folha”, ressaltou.

Mais Bayeux