Em discurso de posse, Bolsonaro convida congressistas para combater corrupção, criminalidade e submissão ideológica

O presidente da República, Jair Messias Bolsonaro, 63 anos, tomou posse no Congresso nesta 3ª feira (1º.jan.2019) com 1 discurso de 10 minutos. Repetiu bordões da campanha eleitoral e convocou deputados e senadores para ajudá-lo em seu governo.

“Aproveito este momento solene e convoco, cada 1 dos congressistas, para me ajudarem na missão de restaurar e de reerguer nossa pátria, libertando-a, definitivamente, do jugo da corrupção, da criminalidade, da irresponsabilidade econômica e da submissão ideológica”, disse Bolsonaro.

O militar começou o discurso às 15h18 e terminou às 15h28. Iniciou a fala lembrando o ataque a faca que sofreu durante a campanha e agradecendo “por estar vivo”.

Enquanto assinava o termo de posse, o ex-deputado federal brincou com os congressistas: “Estou casando com vocês”.

O novo presidente declarou ainda que o “Brasil voltará a ser 1 país livre das amarras ideológicas”.

“Vamos unir o povo. Valorizar a família e respeitar as religiões e nossa tradição judaico cristã. Combatendo a ideologia de gênero, conservando nossos valores, o Brasil voltará a ser 1 país livre das amarras ideologias”, afirmou.

Em relação à segurança, Bolsonaro defendeu que o “cidadão de bem merece dispor de meios para se defender” e prometeu “valorizar aqueles que sacrificam suas vidas” em trabalho.

“Contamos com o apoio do Congresso Nacional para dar o respaldo jurídico para os policiais realizarem o seu trabalho”, disse fazendo alusão a uma de suas principais bandeiras de campanha, a imunidade para policiais que matem em serviço.

Para a economia, defendeu a realização de “reformas estruturantes” e o estímulo à competição, produtividade e eficácia “sem o viés ideológico”. De acordo com ele, os desafios do país só serão resolvidos mediante “1 verdadeiro pacto nacional” entre a sociedade e os 3 Poderes.

COMO FOI A CERIMÔNIA

Bolsonaro, sua mulher, Michelle, e o vice-presidente, Hamilton Mourão, foram recebidos pelos presidentes do Senado, Eunício Oliveira, e da Câmara, Rodrigo Maia, na entrada do Congresso Nacional. Os Dragões da Independência, o 1º Regimento de Cavalaria de Guardas, estavam posicionados na rampa.

Em seguida, o novo presidente seguiu pelo Salão Negro, onde estavam o presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Dias Toffoli, e a procuradora-geral da República, Raquel Dodge. A Guarda de Honra da Aeronáutica estava presente no salão.

As autoridades seguiram pelo Salão Verde da Câmara, onde estava posicionada a Guarda de Honra da Marinha, em direção ao plenário. Em sessão do Congresso Nacional, o presidente eleito e seu vice foram declarados empossados.

Eunício, que não se reelegeu para o Senado, se disse otimista em relação à próxima gestão. Desejou que o presidente unifique o Brasil e governe para todos os brasileiros.

“Que [Bolsonaro] faça o desenvolvimento do Brasil. Que o país avance, gere emprego, gere renda. E que a sociedade seja completamente pacificada independente de quem votou e quem deixou de votar. Esse é o grande papel que o presidente tem”, disse.

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, veio ao Brasil para a posse de Bolsonaro e acompanhou o discurso do presidente eleito do plenário da Câmara, no Congresso.

O futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, chegou atrasado à cerimônia. Entrou no Salão Verde pouco após a passagem do presidente eleito. O futuro ministro da Justiça, Sérgio Moro, não esteve no Congresso.

O plenário teve cadeiras vazias durante cerimônia. Veja fotos:

Do lado de fora do Congresso, imagens aéreas mostraram uma Esplanada dos Ministérios também esvaziada. A estimativa de público era de 250 mil a 500 mil pessoas:

A AUSÊNCIA DA OPOSIÇÃO

O PT e o Psol boicotaram a cerimônia e anunciaram que seus congressistas não participariam do evento. Aliados de Bolsonaro minimizaram o peso da ausência na cerimônia.

“As cadeiras talvez não estivesse lotadas, porque muitos prefeririam ficar de pé”, disse a deputada federal eleita Carla Zambelli (PSL-SP). “Sinceramente, o pessoal de esquerda não fez falta nenhuma, até foi bom para deixar lugares para os chefes de Estado.”

Sobre a ausência dos partidos de oposição na posse, o vice-presidente da Câmara e candidato à presidência na próxima legislatura, deputado Fábio Ramalho, afirmou que não haverá racha no Congresso no governo de Bolsonaro. “Não será dividido, será 1 Congresso independente”. 

LEIA A ÍNTEGRA DO DISCURSO DE BOLSONARO:

“Senhoras e Senhores,

Com humildade, volto a esta Casa, onde, por 28 anos, me empenhei em servir à nação brasileira, travei grandes embates e acumulei experiências e aprendizados, que me deram a oportunidade de crescer e amadurecer.

Volto a esta Casa, não mais como deputado, mas como Presidente da República Federativa do Brasil, mandato a mim confiado pela vontade soberana do povo brasileiro.

Hoje, aqui estou, fortalecido, emocionado e profundamente agradecido, a Deus pela minha vida e aos brasileiros, por confiarem a mim a honrosa missão de governar o Brasil, neste período de grandes desafios e, ao mesmo tempo, de enorme esperança. Governar com vocês.

Aproveito este momento solene e convoco, cada um dos Congressistas, para me ajudarem na missão de restaurar e de reerguer nossa Pátria, libertando-a, definitivamente, do jugo da corrupção, da criminalidade, da irresponsabilidade econômica e da submissão ideológica.

Temos, diante de nós, uma oportunidade única de reconstruir nosso país e de resgatar a esperança dos nossos compatriotas.

Estou certo de que enfrentaremos enormes desafios, mas, se tivermos a sabedoria de ouvir a voz do povo, alcançaremos êxito em nossos objetivos, e, pelo exemplo e pelo trabalho, levaremos as futuras gerações a nos seguir nesta tarefa gloriosa.

Vamos unir o povo, valorizar a família, respeitar as religiões e nossa tradição judaico-cristã, combater a ideologia de gênero, conservando nossos valores. O Brasil voltará a ser um país livre de amarras ideológicas.

Pretendo partilhar o poder, de forma progressiva, responsável e consciente, de Brasília para o Brasil; do Poder Central para Estados e Municípios.

Minha campanha eleitoral atendeu ao chamado das ruas e forjou o compromisso de colocar o Brasil acima de tudo, e Deus acima de todos.

Por isso, quando os inimigos da pátria, da ordem e da liberdade tentaram pôr fim à minha vida, milhões de brasileiros foram às ruas. Uma campanha eleitoral transformou-se em um movimento cívico, cobriu-se de verde e amarelo, tornou-se espontâneo, forte e indestrutível, e nos trouxe até aqui.

Nada aconteceria sem o esforço e o engajamento de cada um dos brasileiros que tomaram as ruas para preservar nossa liberdade e democracia.

Reafirmo meu compromisso de construir uma sociedade sem discriminação ou divisão.

Daqui em diante, nos pautaremos pela vontade soberana daqueles brasileiros: que querem boas escolas, capazes de preparar seus filhos para o mercado de trabalho e não para a militância política; que sonham com a liberdade de ir e vir, sem serem vitimados pelo crime; que desejam conquistar, pelo mérito, bons empregos e sustentar com dignidade suas famílias; que exigem saúde, educação, infraestrutura e saneamento básico, em respeito aos direitos e garantias fundamentais da nossa Constituição.

O Pavilhão Nacional nos remete à “ORDEM E AO PROGRESSO”.

Nenhuma sociedade se desenvolve sem respeitar esses preceitos.

O cidadão de bem merece dispor de meios para se defender, respeitando o referendo de 2005, quando optou, nas urnas, pelo direito à legítima defesa.

Vamos honrar e valorizar aqueles que sacrificam suas vidas em nome de nossa segurança e da segurança dos nossos familiares.

Contamos com o apoio do Congresso Nacional para dar o respaldo jurídico aos policiais para realizarem seu trabalho.

Eles merecem e devem ser respeitados!

Nossas Forças Armadas terão as condições necessárias para cumprir sua missão constitucional de defesa da soberania, do território nacional e das instituições democráticas, mantendo suas capacidades dissuasórias para resguardar nossa soberania e proteger nossas fronteiras.

Montamos nossa equipe de forma técnica, sem o tradicional viés político que tornou nosso estado ineficiente e corrupto.

Vamos valorizar o Parlamento, resgatando a legitimidade e a credibilidade do Congresso Nacional.

Na economia traremos a marca da confiança, do interesse nacional, do livre mercado e da eficiência.

Confiança no compromisso de que o governo não gastará mais do que arrecada e na garantia de que as regras, os contratos e as propriedades serão respeitados.

Realizaremos reformas estruturantes, que serão essenciais para a saúde financeira e sustentabilidade das contas públicas, transformando o cenário econômico e abrindo novas oportunidades.

Precisamos criar um ciclo virtuoso para a economia que traga a confiança necessária para permitir abrir nossos mercados para o comércio internacional, estimulando a competição, a produtividade e a eficácia, sem o viés ideológico.

Nesse processo de recuperação do crescimento, o setor agropecuário seguirá desempenhando um papel decisivo, em perfeita harmonia com a preservação do meio ambiente.

Da mesma forma, todo setor produtivo terá um aumento da eficiência, com menos regulamentação e burocracia.

Esses desafios só serão resolvidos mediante um verdadeiro pacto nacional entre a sociedade e os Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, na busca de novos caminhos para um novo Brasil.

Uma de minhas prioridades é proteger e revigorar a democracia brasileira, trabalhando arduamente para que ela deixe de ser apenas uma promessa formal e distante e passe a ser um componente substancial e tangível da vida política brasileira, com o respeito ao Estado Democrático.

A construção de uma nação mais justa e desenvolvida requer a ruptura com práticas que se mostraram nefastas para todos nós, maculando a classe política e atrasando o progresso.

A irresponsabilidade nos conduziu à maior crise ética, moral e econômica de nossa história.

Hoje começamos um trabalho árduo para que o Brasil inicie um novo capítulo de sua história.

Um capítulo no qual o Brasil será visto como um país forte, pujante, confiante e ousado.

A política externa retomará seu papel na defesa da soberania, na construção da grandeza e no fomento ao desenvolvimento do Brasil.

Senhoras e Senhores Congressistas,

Deixo esta casa, rumo ao Palácio do Planalto, com a missão de representar o povo brasileiro.

Com a benção de Deus, o apoio da minha família e a força do povo brasileiro, trabalharei incansavelmente para que o Brasil se encontre com o seu destino e se torne a grande nação que todos queremos.

Muito obrigado a todos vocês.

BRASIL ACIMA DE TUDO!

DEUS ACIMA DE TODOS!”

LEIA A ÍNTEGRA DO DISCURSO DO PRESIDENTE DO CONGRESSO, EUNÍCIO OLIVEIRA:

“Sr. Jair Messias Bolsonaro

Os eleitores brasileiros, em outubro de 2018, em 1 pleito democrático e legítimo, votaram na esperança.

Essa esperança, representada pela vontade da maioria, espalhada pelo país e espalha a crença em melhores oportunidades ao mesmo tempo em que a democracia avança e se fortalece.

Esperança e confiança que se renovaram em 1 pleito presidencial sob o qual não pairam dúvidas. A maioria do povo brasileiro, presidente Jair Bolsonaro, escolheu delegar-lhe a suprema honra de ser o líder máximo da nossa nação.

Sr. presidente, sr. vice-presidente; a partir de agora, o futuro do nosso país estará em vossas mãos.

Vossas excelências têm uma parcela especialmente relevante na responsabilidade de conduzir o país. A maior delas.

Embora vivamos num regime federativo, com poderes independentes e harmônicos, é inegável que a Presidência da República tem um simbolismo que a torna o centro maior das atenções e das reivindicações.

Típico de 1 país presidencialista, em que a população tradicionalmente deposita em seu presidente a esperança de que ele tudo pode mudar. Mas os governantes dependem, em primeiro lugar, da nossa Constituição e das leis em vigor. Estão hoje nesta mesa os representantes máximos dos poderes de nossa nação. E esses poderes independentes, harmônicos, deverão trabalhar juntos pelo bem-estar do nosso querido país.

Isso porque quando as regras vigentes não permitem que se faça o que o sr. eventualmente pretenda, será necessária alteração legislativa pelo Congresso Nacional. Com o controle de Constitucionalidade do Supremo e a permanente fiscalização do Ministério Público. Sob a Constituição e as leis, que há pouco vossa excelência jurou defender, serão discutidas as eventuais mudanças legislativas necessárias, com o Congresso e com a sociedade, para resolver os desafios de um país que vive no chamado… aquilo que todos nós dizemos: o país chamado futuro.

Vejo em vossas excelências a vontade e o patriotismo necessários para o exercício do contraditório e do diálogo, ferramentas das mais importantes na vida pública brasileira. Mesmo os melhores ideais ou as melhores ideias podem ser aperfeiçoadas. Saber divergir com argumentos sólidos enriquece a política e a vida. É assim que crescemos e nos aprimoramos.

Senhoras e senhores: é no parlamento que o diálogo bem exercitado leva ao entendimento e assim às melhores soluções para nossa nacionalidade. Ao eleger seu novo presidente da República, a população brasileira escolheu um cidadão que viveu e trabalhou por 7 mandatos, 7 mandatos como deputado federal nesse Congresso Nacional. Com a experiência de quem também vivenciou esta Casa por mais de 20 anos, inclusive convivendo com v. exca. por 12 anos nesse plenário da Câmara dos Deputados, tenho a profunda convicção de que o Congresso Nacional não faltará ao país no cumprimento de sua missão constitucional na nova legislatura.

Com trabalho, diálogo, paciência e perseverança, tenho certeza: v. exca. triunfará como presidente de todos os brasileiros. Esse Congresso não faltará a v. exca.. Esse Congresso não faltará ao Brasil, como também não faltou na legislatura que se encerra dentro de 1 mês.

O governo de v. Exca certamente enfrentará um pouco menos de dificuldades graças a importantes matérias aqui aprovadas para ajudar o Brasil a superar a grave crise pela qual passávamos.

Em respeito à história dos fatos, peço-lhe licença, presidente Bolsonaro, mas não posso deixar de registrar a perseverança política e pessoal do ex-presidente Michel Temer. Foi em cooperação republicana com a Câmara dos Deputados, tão bem presidida pelo presidente Rodrigo Maia, e com o Senado Federal que aprovamos, por exemplo, a PEC do Teto de Gastos, que tive a satisfação de relatar e que está sendo uma importante ferramenta para o equilíbrio das contas públicas do Brasil.

Há muito precisávamos aplicar no Brasil a máxima de que o orçamento nacional deve ser equilibrado e as dívidas devem ser reduzidas, como dizia Marco Túlio Cícero, filósofo romano, 50 anos antes de Cristo.

Tenho certeza, presidente Jair Bolsonaro, que v. exca. estará recebendo um país com diversos ajustes feitos com a colaboração com este Congresso Nacional. Aqui nessa Casa, aqui nesse Congresso, não houve pauta bomba. Nem deixou-se qualquer herança maldita. Houve, sim, muito trabalho para avançar na pauta que era necessária ao Brasil. Destaco as iniciativas na área da segurança pública e da microeconomia, que conforme ressaltei nesse mesmo plenário há 11 meses atrás, foram a tônica do ano legislativo de 2018 como foi feito em destaque na campanha de v. exca. e é um reclamo urgente de toda a população brasileira.

Muito mais haverá de ser feito nas áreas de segurança pública, microeconomia, saúde, educação, emprego, renda e equilíbrio fiscal. Mas v. exca. não iniciará do zero esse grande esforço que o Brasil espera.

A criação do Sistema Único de Segurança Pública nacionalizado, a Emenda Constitucional 95, a reforma trabalhista, os avanços na pauta econômica facilitarão o trabalho de v. exca. junto a outras iniciativas que eu tenho certeza v. exca. governará e tomará todas as providências necessárias.

Sras. e srs., neste Brasil plenamente democrático, plenamente democrático que construímos, a chancela do voto confere legitimidade aos eleitos para apresentarem as ideias centrais que vão gerar coesão. Dessa cadeira que ocupo, é meu dever lembrar-lhes permanentemente ter em mente que a política é a arte de produzir consenso entre as diferenças de opinião que a democracia pressupõe.

Devemos garantir que as coletividades se manifestem no âmbito do Parlamento, por exemplo. O plenário é soberano, e foi respeitando essa ideia, a Constituição e o Regimento que conduzi estas Casas do Senado e do Congresso Nacional.

Nesse sentido, e aqui peço mais uma vez vênia para v. exca. para um brevíssimo registro pessoal: me aproximo do término do atual mandato de presidente e, como tal, na oportunidade que tive de servir a estas Casas, ao meu querido Ceará e ao Brasil, deixo aqui o registro da minha eterna gratidão ao povo do meu querido Ceará e a todos os deputados, deputadas, senadores e senadoras que me acompanharam nessa tão honrosa quanto difícil missão.

O grande patrimônio de um estadista é a sua capacidade de apontar caminhos, de convencer da justeza daqueles caminhos e, assim, unificar a população e fazê-la crer. Seja v. exca. o melhor exemplo de conduta que teremos no Brasil. Que pretenda exigir dos seus governados, pois as palavras perpetuam os fatos, mas só as ações constroem a história. Ou como diria a máxima atribuída a Confúcio: o discurso empolga, mas o exemplo arrasta.

Que Deus ilumine o mandato de v. exca. que hoje se inicia para que tanto v. exca. presidente Bolsonaro como v. exca. Mourão, vice-presidente da República, governem em benefício não apenas de parcela da população, mas para o benefício de todo o povo brasileiro.

Tenho certeza que v. exca. assim procederá.

Agradecendo a presença dos srs. chefes de Estado, chefes de governos e representantes de países amigos, das autoridades diplomáticas, eclesiásticas, civis e militares, bem como dos senhores ilustres convidados e todos os brasileiros que nos assistem nesse momento, que nos honram com sua audiência, eu quero agradecer às honrosas presenças de todos e declaro sob as bênçãos, a presente sessão.”

 

Fonte: PODER360

Créditos: Reprodução/TV NBR

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.