Dor no ombro: saiba quais são as principais causas e como tratar – por Jerry Boni

Para começar o início do ano de 2020, eu quero falar sobre um problema no ombro que é a causa mais comum de pacientes em consultório de especialistas na área: a bursite do ombro, que faz parte da síndrome do ombro doloroso.

Síndrome do Impacto do Ombro – bursite

A síndrome do impacto é uma das mais comuns causas de dor no ombro, tanto do atleta como do sedentário. Sua origem é o impacto do acrômio no aparelho burso-tendíneo do ombro.

O ombro tem internamente a parte óssea representada pela cabeça umeral, os tendões do manguito rotador que cobrem o úmero ( tendões dos músculos supra-espinhal, infra-espinhal, subescapular e redondo menor ) e cobrindo esses tendões está a bursa (que tem a função de minimizar o atrito dos tendões do manguito com o acrômio).

Os músculos do manguito rotador têm a função de fazer um ponto de apoio na cabeça umeral para contrapor a força que o músculo deltóide faz puxando a cabeça umeral em direção ao acrômio (expansão óssea da escápula). Há, então, a rotação da cabeça do úmero abaixo do acrômio. Quando há o impacto dessas duas estruturas, ocasiona-se a dor

O desbalanço muscular, a diminuição do espaço dentro do ombro devido a inclinações “anormais” do acrômio, a artrose do ligamento córaco-acromial, a lesão do manguito rotador ou um trauma e inflamação do ombro são as causas da síndrome do impacto.

A dor no ombro à elevação passiva ou ativa é a manifestação mais comum. Geralmente a dor piora quando o paciente deita, pois o efeito da gravidade que traciona a cabeça umeral na direção oposta do acrômio para de ocorrer.

Exames

Os exames de ultrassonografia e ressonância magnética mostram, na maior parte das vezes, tendinose ou tendinite dos músculos do manguito rotador (supra-espinhal, infra-espinhal, subescapular e redondo menor) ou bursite subacromial ou subdeltoídea.

Tratamento

O tratamento depende da origem da dor, mas em linhas gerais deve-se tentar os anti-inflamatórios não hormonais e a fisioterapia. Falhando este método, pode-se tentar a infiltração. Se não houver resultados, orientamos o tratamento cirúrgico por artroscopia.

A infiltração deve ser realizada no máximo de duas a três vezes, pois os tendões podem ser alterados com grandes quantidades de corticóide local. Se tratada logo no início, a dor no ombro regride sem necessidade de cirurgia na maioria dos casos.

Portanto, procure apoio medico e de reabilitadores assim que sentir os primeiros sinais de impacto do ombro. Para a prevenção, insira exercícios para o fortalecimento dos músculos do manguito, peitoral e grande dorsal, com orientação de profissionais capacitados.

Dr. Jerry Boni – RQE: 5907 / CRM: 8753

Médico Ortopedista e Traumatologista com treinamentos no Brasil e no Exterior, na área clínica e artroscópica Cirurgica do Ombro e cotovelo.

Contato: (83) 999411630

Atendimentos:
Clinor – unidades do Centro, Bancários e Praia

Site: www.meuortopedista.com.br