COVID-19: perguntas e respostas sobre o novo coronavírus – por Jerry Boni

Olá, amigos! O tema de hoje não poderia ser outro: o covid-19.

Com a rápida disseminação do novo coronavírus e a chegada ao Brasil, com 647 infectados em 21 estados e no Distrito Federal e sete mortos, as pessoas têm cada vez mais se perguntado como se proteger.

As recomendações do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC), do Serviço de Saúde britânico (NHS) e do Ministério da Saúde brasileiro são unânimes em destacar:  a principal — simples, porém bastante eficiente — é lavar as mãos com sabão após usar o banheiro, sempre que chegar em casa ou antes de manipular alimentos.

O ideal é esfregar as mãos entre 15 e 20 segundos para garantir que os vírus e as bactérias sejam eliminados. D acordo com o presidente da Sociedade Brasileira de virologia, o tempo para se cantar duas músicas de ‘Parabéns a você”. Essa é uma orientação básica para evitar uma série de doenças e é eficiente especificamente contra o coronavírus porque ele é um vírus envelopado.

14 perguntas sobre o surto e algumas explicações.

O avanço do surto de coronavírus, que já matou milhares de pessoas pelo mundo, tem despertado uma série de dúvidas — desde o que se sabe sobre a real gravidade da situação até o que fazer com a compra pela internet de produtos oriundos da China.

O que é esse vírus?

O novo vírus foi chamado de 2019-nCoV, uma sigla em inglês para o ano em que ele surgiu, “n”, de novo, e “CoV”, de coronavírus. Inicialmente as doenças são batizadas com códigos, e depois ganham nomes mais populares, como “gripe aviária”. Os coronavírus (micróbios cuja aparência remete a uma coroa) são uma ampla família de vírus, mas sabia-se que apenas seis deles infectam humanos. Com o novo descoberto, são sete.

A situação é grave?
A OMS classificou inicialmente o risco global como moderado, mas, depois de ser criticada, disse ter errado e passou a falar em risco elevado e classificou a situação atual como pandemia. Para afirmar isso, leva em conta elementos como a gravidade da doença, a velocidade de disseminação e a capacidade de combatê-la. 

Mas isso é muito ou pouco?
Qualquer conclusão agora seria precipitada. O que se sabe até o momento aponta para uma doença que mata em torno de 3 pessoas a cada 100 infectadas. Mas os números mudam todos os dias, não se tem um retrato completo da situação ao longo de um grande período de tempo e mutações podem ocorrer e tornar a doença mais grave.
Para comparação, a chamada gripe sazonal mata 0,1 pessoa a cada 100 infectadas. Outros dois coronavírus, a Sars matou quase 10 a cada 100 e a Mers, 35 a cada 100.

Mas se essas duas doenças eram mais perigosas, como elas foram contidas?
“Esses agentes com altíssima virulência usualmente levam a que se tome medidas de restrição de movimentação e isolamento dos doentes, por isso essas doenças ficam contidas”, explica Fernando Spilki, presidente da Sociedade Brasileira de Virologia. Ou seja, se os números atuais estiverem corretos, estamos diante de uma gripe muito pior que a chamada sazonal, mas ainda bem mais branda do que vimos com a Sars ou a Mers. Segundo Spilki, doenças com taxa de morbidade menor tendem a se espalhar mais porque demandam medidas de contenção menos restritivas.

Quem corre mais risco de contrair a doença?
O que se sabe é que, normalmente, pessoas com saúde já abalada com, por exemplo, problemas respiratórios pré-existentes tendem a ser mais vulneráveis a complicações. Pacientes muito jovens e com idade avançada também costumam ser afetados de maneira mais grave.

A transmissão é rápida? Passa pela tosse?
Todo novo vírus preocupa, e há dois grandes motivos para isso. O primeiro é que pouco se sabe sobre qualquer novo vírus. De qual animal ele passou para o homem, o quão agressivo ele é, se é altamente contagioso ou não etc.
O segundo é que grande parte da população ainda não terá imunidade para combater sintomas e evitar a transmissão. Ou seja, praticamente todo mundo que é exposto contrai a doença — mas nem todos os infectados desenvolvem os sintomas. Em geral, todos os vírus que afetam o trato respiratório são transmitidos pela via aérea ou pelo contato da mão com a boca ou com os olhos, por exemplo. Respirando no mesmo ambiente, tocando algo que uma pessoa infectada tocou.

Até agora, a grande maioria dos casos do novo coronavírus registrados foram transmitidos entre pessoas com contato próximo, como familiares e profissionais de saúde. Estima-se que no surto atual cada pessoa infectada passou a doença para menos de três pessoas, em média. A doença pode ser transmitida antes de aparecerem os sintomas, algo que demora até duas semanas. Isso, claro, não é incomum em outros vírus, mas preocupa bastante.

Como se detecta se a pessoa está doente?

Em geral, numa doença como esta se utilizam amostras de secreção respiratória levadas ao laboratório. Ali, são utilizadas técnicas de detecção de material genético viral para identificar a presença do agente infeccioso.
“A capacidade de fazer testes é cada vez maior, porque há mais laboratórios e máquinas dedicadas a isso, e isso eleva o total de casos. Também aumenta porque a transmissão segue ocorrendo, e não há nenhuma evidência de que foi interrompida. Então, o número de casos vai crescer nos próximos dias, infelizmente”, explicou à Organização Pan-Americana de Saúde (Opas) e ex-chefe da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), de 2015 e 2018.

É arriscado importar produtos da China?
Em geral, os coronavírus sobrevivem pouco tempo no ambiente.
Isso ocorre por causa do envelope, uma camada com gordura em volta do vírus, que o torna vulnerável a um simples detergente, por exemplo. O Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos afirmou que não há, até agora, nada que indique qualquer risco associado à importação de produtos industrializados e ou de origem animal. “Em geral, por causa da baixa sobrevivência dos coronavírus em superfícies, há um risco muito baixo de disseminação por meio de produtos ou embalagens enviadas ao longo de dias ou semanas em temperatura ambiente.”

De todo modo, o órgão disse estar monitorando a situação em constante evolução e que qualquer informação nova sobre o caso será incluída em suas recomendações (disponíveis em inglês neste site ).

Há vacina ou remédio contra a doença?
Até agora, não. Em geral, vacinas levam quatro ou cinco anos para serem desenvolvidas. E uma vacina vale para um vírus específico. Atualmente, há pesquisadores tentando inventar processos que gerem vacinas em semanas e mesmo que levem a uma vacina universal para todos os tipos de gripe. Mas, mesmo que venham a ter sucesso, isso ainda está longe de se tornar realidade.

Também não há ainda um remédio para o novo coronavírus. Todo o tratamento atual lida com os sintomas, que em geral começam com uma febre, e depois de uma semana passam a incluir tosse seca e falta de ar.
Se a situação não piorar, as pessoas infectadas têm se recuperado em até uma semana. Mas, se piorar, o vírus pode causar pneumonia, insuficiência respiratória aguda e até a morte.

Quem for infectado uma vez pode ter a doença de novo?
Em geral, quem é infectado por um coronavírus passa a estar imunizado contra uma nova infecção do mesmo vírus.
Mas não há informações precisas sobre o surto atual.

Qual é a melhor forma de proteger? É usando a máscara?
Depende da máscara. Segundo especialistas, os modelos mais usados pelas pessoas nas ruas são pouco eficazes para impedir a circulação do vírus. Isso porque elas não vedam bem e são porosas. Mas há modelos mais avançados, usados por profissionais de saúde, que podem ser mais eficazes, como os classificados de N95. O uso de máscaras é uma medida complementar de segurança para evitar contrair ou transmitir o vírus. Especialistas recomendam lavar bem as mãos e cobrir a boca ao tossir ou espirrar — mas com papel ou lenço, nunca com as mãos. Recomendam também evitar aglomerações e manter um estilo de vida saudável, que fortalece seu sistema imunológico.

De que animal veio o vírus?
O início do surto tem sido associado pelas autoridades chinesas a um mercado em Wuhan. Ali, eram vendidos tanto animais vivos quanto já abatidos. Mas não se sabe ainda qual deles está ligado ao novo coronavírus. Segundo Spilki, presidente da Sociedade Brasileira de Virologia, este é mais um vírus que chega à espécie humana por causa de impacto ambiental.

Ao desmatar, degradar o ambiente e ampliar a proximidade de animais silvestres para alimentação, recreação ou estimação, o homem se aproxima de vírus com os quais não tinha contato nem imunidade. Se expõe ao que ele chamou de uma nova virosfera. Estima-se que mais de 1,5 milhão de vírus circulem na vida selvagem do planeta. E que só conhecemos cerca de 3.000 deles.

Quando vai ocorrer o próximo surto?
Estudos apontam que a cada ano surgem cerca de cinco novas doenças. E esse número tem crescido.
Segundo Alisson McGeer, ex-diretora de controle de infecções do hospital Mount Sinai, um dos mais tradicionais dos Estados Unidos, há só três coisas inevitáveis neste mundo: a morte, impostos e epidemias de gripe.
E é só questão de tempo até a próxima.

“Novos vírus de influenza aparecem todos os anos, porque têm a característica de sofrer mutações muito rápido — e também já vimos que os coronavírus também têm, porque, no intervalo de 16 anos, é o terceiro desta família de vírus que surge. Então, é possível que isso ocorra de novo daqui a um ano, 10 anos ou 50 anos, é impossível prever exatamente quando. E não há nenhuma medida que possa eliminar essa possibilidade”, afirmou Barbosa, da Opas e ex-Anvisa.

Qual será o impacto na economia global?
Economistas hesitam em falar em números nesse estágio inicial do surto. Mas é possível identificar qual forma o impacto terá e observar os danos econômicos causados por episódios similares no passado, especialmente o caso da Sars entre 2002 e 2003, que também começou na China. Uma estimativa indica que o custo do surto de Sars à época para a economia mundial foi de US$ 40 bilhões (R$ 167 bilhões). No surto atual, já é possível perceber alguns dos danos econômicos. Restrições para viagens foram adotadas para milhões de pessoas em uma época em que muitas pessoas viajam, o Ano Novo chinês. O impacto na indústria do turismo é claro, mas ainda não é mensurável.

A rede de cafeterias Starbucks decidiu fechar metade de suas unidades no país.
Outros países e empresas também passaram a adotar restrições à China, como a companhia aérea British Airways, que suspendeu todos os voos para o país. Também vai haver um custo financeiro com o tratamento dos doentes, que será pago por planos de saúde, pelo governo (onde há sistema público de saúde) e por pacientes.

Dr. Jerry Boni – RQE: 5907 / CRM: 8753 

Médico Ortopedista e Traumatologista com treinamentos no Brasil e no Exterior, na área clínica e artroscópica Cirurgica do Ombro e cotovelo.

Contato: (83) 999411630

Atendimentos:
Clinor – unidades do Centro, Bancários e Praia

Site: www.meuortopedista.com.br