REFORMA DA PREVIDÊNCIA: a história julgará os votos dos senadores paraibanos – por Felipe Nunes

Só o tempo dirá como serão julgados pela História os senadores paraibanos na votação da proposta de reforma da Previdência. Aprovação da matéria contou com os apoios de José Maranhão (MDB) e Daniella Ribeiro (Progressistas), enquanto que Veneziano Vital do Rêgo (PSB) optou pelo entendimento contrário.

Apesar das polêmicas em torno do assunto, no governo Bolsonaro o tema ganhou o maior apoio dos últimos tempos, chegando em alguns levantamentos à marca de 50% de aprovação, fato que se refletiu no apoio dos parlamentares. Por isso, nem mesmo as pressões de partidos de esquerda, contrários à reforma, nem as crises políticas provocadas pelo próprio governo Bolsonaro foram suficientes para barrar a proposta.

O senador Veneziano, no entanto, “convictamente”, sempre criticou a proposta do ministro Paulo Guedes durante a discussão da matéria. Em aceno ao público da esquerda, o ex-cabeludo apontou os efeitos da aprovação na vida dos trabalhadores. “Alguns pontos para uma reforma são defensáveis, sim, mas não da maneira como sempre, aqui, alertamos; da maneira como o governo apresentou, principalmente porque quem vai pagar a conta são aqueles que hoje já sofrem”, disse o socialista.

Por outro lado, José Maranhão  e Daniella Ribeiro seguiram o entendimento de que, a longo prazo, caso a reforma não fosse aprovada, o país quebraria. Eles adotaram um discurso centrista e seguiram os argumentos apresentados pelo governo e pelo mercado.

José Maranhão, após o voto favorável ao texto, também fez um aceno aos mais pobres e defendeu a necessidade de uma reforma tributária para retirar o peso dos impostos da classe trabalhadora, apontando que a reforma da Previdência não é a solução para todos os problemas da economia. “O sistema tributário brasileiro penaliza o desenvolvimento do país pela multiplicidade de tributos, e muitas vezes pela injustiça de alguns tributos que dificultam o desenvolvimento econômico, especialmente dos mais pobres da população”, ponderou.

O fato é que, independentemente das divergências, o texto foi aprovado por ampla maioria e seguirá para a promulgação. Diante do fato consumado, vale destacar que o julgamento desta cena não acontecerá agora. Só o futuro dirá como os senadores paraibanos serão vistos à luz da História. Tudo vai depender do sucesso ou do fracasso da proposta aprovada.

 
Fonte: Polêmica Paraíba

Créditos: Polêmica Paraíba