Bolsonaro lidera pesquisa sobre 2022 em todos os cenários

Levantamento da empresa Paraná Pesquisas indica que o presidente Jair Bolsonaro lidera as intenções de voto para as eleições presidenciais de 2022. O chefe do Executivo está na frente em todos os cenários de 1º turno, com percentuais que variam de 30,5% a 33,7%.

A pesquisa (íntegra – 528 KB) foi divulgada nesta 6ª feira (29.jan.2021). Foi realizada de 22 a 26 de janeiro de 2021, por meio de ligações telefônicas. Foram entrevistados 2.002 eleitores em 204 municípios das 27 unidades da Federação. A margem de erro é de 2 pontos percentuais e o nível de confiança é de 95%.

Os dados mostram ainda que, em eventual disputa no 2º turno, Bolsonaro derrotaria o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), o ex-ministro Ciro Gomes (PDT), o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), e o apresentador Luciano Huck (sem partido). Bolsonaro empataria, considerando a margem de erro, com seu ex-ministro Sergio Moro (sem partido).

O desempenho de Bolsonaro oscilou negativamente, dentro da margem de erro, em relação ao estudo do Paraná Pesquisas publicado em dezembro do ano passado, quando variou nos cenários de 1º turno de 32,9% a 35,8%. Ele também teve menos intenções de voto em todos cenários de 2º turno. Contra Moro, a diferença que era de 10,2 pontos percentuais no mês passado, caiu para 1,5. Frente à Lula, a distância de 13,6 pontos é, agora, de 6,7.

No 1º cenário de 1º turno testado pelo Paraná Pesquisas na pesquisa divulgada nesta 6ª feira, Bolsonaro aparece 18,5 pontos percentuais à frente do 2º colocado, Sergio Moro. O presidente tem 30,5% e o ex-ministro da Justiça tem 12%. Em seguida aparecem Ciro (10,6%), Fernando Haddad (9,5%), Luciano Huck (8,1%), Guilherme Boulos, do Psol (3,5%), e João Amoêdo, do Novo (2,9%).

O levantamento também testou cenário sem Haddad e Luciano Huck; com Lula e com a ex-ministra Marina Silva (Rede). Bolsonaro lidera, com 31%, à frente de Lula, que tem 17,3%. Em seguida estão Moro (12,1%), Ciro (9,2%), Doria (5,3%), Boulos (3,6%), Amoêdo (3,3%) e Marina Silva (2,3%).

Poder360